facebook
tweeter
login adm
10/10/2015 - 22:41 H
 

No meio, Dudu festeja por não ter mais que “correr atrás de

No meio, Dudu festeja por não ter mais que “correr atrás de lateral”

Falando até em “melhor ano da carreira” ao conversar com os jornalistas na manhã da última quinta-feira, Dudu não esconde que vive um bom momento dentro de campo. Satisfeito com as atuações, o atacante garantiu que amadureceu mentalmente após a suspensão imposta pelo STJD e atribui à mudança de posição, pensada por Marcelo Oliveira, a evolução no estilo de jogo.

Após se destacar pelo Grêmio, em 2014, atuando pelas beiradas do campo, Dudu chegou ao Palmeiras, sob o comando de Oswaldo de Oliveira, mantido na ponta esquerda do ataque. A opção veloz pelo lado, que desafogava o time nos momentos de aperto, começou a ser manjada pelos adversários. A partir da mudança no comando técnico, no entanto, Dudu ficou mais livre para atuar em mais de uma posição do meio para frente.

Com Marcelo Oliveira, o camisa 7 se acostumou a rondar pelos lados do ataque, mas passou a ocupar um maior espaço pelo meio do campo, onde encontra liberdade para armar as jogadas e abastecer os companheiros de ataque. A nova posição, além de oferecer um campo maior de movimentação a Dudu, isenta-o de acompanhar, invariavelmente, os laterais na marcação.

“Ele (Marcelo Oliveira) me testou como meia e, graças a Deus, deu certo. Agora não tenho que correr tanto atrás do lateral, o que cansa um pouco. Quando pego a bola na frente, agora tenho mais fôlego e mais perna para fazer as jogadas. Antes, corria muito atrás do lateral e quando chegava na frente não tinha perna”, disse o atleta, que teve notável crescimento em termos de participação nos jogos desde que passou a atuar de forma mais centralizada.

O protagonismo de Dudu, inclusive, é refletido em números. Com o “gol de honra” do Palmeiras na goleada sofrida para a Chapecoense, Dudu chegou ao sétimo no Campeonato Brasileiro e igualou Rafael Marques como artilheiro do time na competição. São sete gols em 22 jogos no nacional; 11 bolas na rede em 46 jogos no ano.

“Pude fazer uma boa temporada pelo Grêmio, mas não fiz muitos gols. Neste ano, eu estou fazendo mais, e espero fazer mais ainda. Temos mais jogos e quero ajudar o Palmeiras no objetivo dele. Depois que o Marcelo chegou, eu estou jogando mais próximo do ataque”, valorizou. “Temos tudo para nos acertar nesse restante de jogos”, completou, confiante que o Palmeiras briga nas duas frentes em disputa – G4 do Brasileiro e semifinais da Copa do Brasil.

Admitindo que a mudança de postura partiu dele mesmo, após conversa com a comissão técnica, Dudu se mostrou seguro com relação à qualidade do elenco na busca por substitutos para os lesionados Arouca, que ficará afastado dos campos por um mês, e Gabriel, com a recuperação plena da cirurgia no joelho prevista só para 2016.

“O Arouca é muito importante pra gente, assim como o Gabriel era. Nosso elenco tem jogadores que podem substitui-los muito bem, o Thiago (Santos) já está dando conta do recado. Esperamos que na quarta, quem seja eleito para jogar no meio possa dar o melhor”, disse o atacante, liberado para servir ao Palmeiras contra a Ponte Preta após ficar quatro jogos sem atuar no Brasileiro por suspensão.

GE.NET