facebook
tweeter
login adm
17/03/2017 - 00:21 H
 

Embalado, Palmeiras pode ter força máxima contra o Santos...

Embalado, Palmeiras pode ter força máxima contra o Santos no domingo

Eduardo Baptista celebra maior tempo de descanso e deve escalar menos reservas do que usou no clássico diante do São Paulo, no último sábado, em casa

Na vitória por 3 a 0 sobre o São Paulo no último sábado, Eduardo Baptista poupou jogadores como Jean, Borja, Edu Dracena e Zé Roberto. Mas, neste domingo, contra o Santos, a ideia é o Palmeiras ter o mais próximo possível de força máxima na Vila Belmiro. Na semana passada, o argumento para dar descanso a alguns atletas foi o fato de o clássico ser no sábado e o time ter atuado na Argentina, quarta-feira, voltando de madrugada e treinando apenas na sexta-feira para o Choque-Rei. Para jogar na Baixada Santista, porém, haverá tempo para recuperar titulares nesta quinta-feira e armar a escalação nos dois dias seguintes.

– Contra o Santos, como contra o São Paulo, vamos pesar o risco de lesão no caso de alguns jogadores. Mas temos um dia a mais de descanso, sem logística complicada da viagem da semana passada. Podemos recuperar, treinar e colocar a melhor equipe – explicou o treinador.

Para enfrentar o Santos e encaminhar ainda mais a classificação para as quartas de final do Campeonato Paulista, já há um desfalque certo: Vitor Hugo, zagueiro que cumpre o primeiro dos dois jogos da punição imposta pelo Tribunal de Justiça Desportiva por ter acertado o rosto do corintiano Pablo. É bem provável que Mina e Edu Dracena continuem no setor.

De qualquer forma, Eduardo Baptista já pensava na estratégia para o duelo em Santos pouco depois de ter vencido o boliviano Jorge Wilstermann, em casa, pela Taça Libertadores da América. Ele tem como foco fazer o time completar com vitória uma sequência tida como complicada, com dois clássicos e dois jogos da Libertadores consecutivos.

– O Santos perdeu alguns jogadores, tem alguns voltando. Vamos esperar para ver como o Santos vem.

Se vem com Renato, por exemplo, temos de tirá-lo de jogo, adiantar a marcação. Mas o que importa é se encarar o jogo como clássico. É mais uma decisão. É importante continuar criando essa identidade com vitórias – disse.

Globo Esporte.com